Notícias

  • Notícias do Programa
  • PotencializEE na Mídia

SENAI-SP recebe consultores contratados para atuar no PotencializEE

Compartilhe:
Em 4 de maio de 2022, às 11:38

São 50 novos consultores em Eficiência Energética para atuar nas  PMEs industriais de SP inscritas no programa

Especialistas em Eficiência Energética recebem instruções para iniciar os diagnósticos energéticos nas indústrias.

São Paulo, 28 de abril de 2022 – O PotencializEE, em parceria com o SENAI-SP, dá as boas-vindas aos 50 novos especialistas em Eficiência Energética aprovados para realizarem os atendimentos dos pré-diagnósticos energéticos nas mais de 200 PMEs já inscritas no programa e nas que ainda devem aderir ao programa. Os novos profissionais de EE irão atuar em 10 polos do estado de São Paulo: nas regiões de Indaiatuba, Bauru, Sorocaba, Jacareí, Araraquara, Sertãozinho, São José do Rio Preto, Marília, Presidente Prudente e São Paulo capital.  
 
Eles foram contratados como colaboradores do SENAI, após participarem do curso de capacitação e alcançarem  as maiores pontuações entre os participantes no resultado da certificação em Eficiência Energética realizada pela instituição, referência nacional  no apoio à tecnologia e inovação em empresas industriais. 

O PotencializEE tem o desafio de atender os Objetivos do Desenvolvimento da ONU para triplicar o número de profissionais na área de Eficiência Energética até 2030. A iniciativa atraiu o interesse de engenheiros que atuavam no mercado de trabalho energético como Ricardo Lima, de 31 anos, formado em Engenharia de Energia pela Universidade de Brasília. 
 

Ricardo Lima, consultor de Eficiência Energética.

“No meu dia a dia como consultor, eu encaro muita resistência por parte das pequenas indústrias que confundem o trabalho de consultor com o de representantes de marcas. Ter o nome do Senai tanto na formação quanto na atuação de consultor do PotencializEE vai ser fundamental para a adesão por parte das PMEs ao programa”, opinou Ricardo que não vê a hora de colocar em prática todo o conhecimento adquirido. 
 
Os 50 Especialistas em Eficiência Energética serão acionados por demanda e contratados como horistas em regime CLT efetivo, pelo Senai-SP.  
“As empresas ainda estão entendendo como mensurar os resultados dos investimentos em EE, acredito que a metodologia de medição e verificação ensinada no curso vai contribuir muito para que mais empresas invistam na área. O mercado de EE brasileiro tem um grande potencial de crescimento”, avalia o engenheiro eletricista Guilherme Moura Rocha, de 28 anos, formado pela Faculdade de Engenharia de Sorocaba – FACENS, que atua no setor de manutenção na otimização e controle de recursos em caldeiras e compressores. 
 

Guilherme Moura Rocha, consultor de Eficiência Energética.

A especialização do PotencializEE foi incentivo de um colega para que Guilherme migrasse de vez para EE. “Sempre acompanhei os trabalhos de EE executados na planta industrial. Um amigo que já atua no setor sempre me falava para mudar de área. Ele me avisou sobre a especialização. As grandes instituições envolvidas no projeto me deram certeza de que o trabalho desenvolvido teria alto padrão de qualidade técnico”, completou o agora consultor do PotencializEE.  

O programa tem como parceiros estratégicos instituições federais ligadas aos setores de energia, financeiro e indústria. No âmbito federal, os parceiros são o Ministério das Minas e Energia (MME), Ministério da Economia (ME) e Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Os parceiros financeiros são o Desenvolve SP (Banco do Estado de SP) e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), que vão possibilitar o acesso a financiamentos de projetos em EE. 
 
No setor da indústria e energia, participam do programa a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e a Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Conservação de Energia (Abesco), além do próprio Senai. 
 
Com o apoio do PotencializEE, será possível a mitigação de aproximadamente 1,1 toneladas de CO2, contribuindo para o alcance da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) do Brasil, estabelecida no âmbito do Acordo de Paris sobre mudanças climáticas que tem como meta manter o aumento da temperatura média global em bem menos de 2°C, de preferência 1,5°C.   

Fonte: Programa PotencializEE

Últimas notícias